Chapter 2013 – Act 06, Page 24

Um dia me fiz prometer que não mais escreveria sem razão por futilidades, pois bem, assim mantenho minha jura desde então. Hoje escrevo para livrar minha mente e ordenar os pensamentos, preciso desenvolver um projeto, mas você Alexandre, não sai da minha mente. Só consigo pensar no teu sorriso, teu olhar doce e perspicaz de cigano oblíquo e dissimulado, tua barba por fazer roçando no meu pesco e tua voz delirante soando por meus ouvidos, paro, entro em ecstasy com tantas sensações me sendo propostas ao mesmo tempo. Te olho, vejo o garoto que tu foi um dia, o adolescente que te transformou neste homem que hoje conheço e ao mesmo tempo vislumbro o teu futuro, teu grandioso futuro.

É estranho, mas um dia intui que aquele que me foi destinado teria sido enviado depois do tempo que passei pra cá, na época não entendi a metáfora, mas hoje me faz sentido. Talvez esteja enganado, mas hoje não me importo e nem mesmo me pego pensando nisso, quero apenas viver o momento e sentir o nosso momento, aproveitando cada parte dele, sendo shows e concertos, noites ao luar e muitas risadas juntos. Como esquecer momento tão enfadonho quanto aquele em que tu me abraçaste como teu, única e exclusivamente teu, e é assim que me sinto, teu.

Sorrir para mais uma amanhã, agora pra mim está muito mais fácil, pois sei que o meu amanhã será encantado pelo simples fato de que tu existes, estranho, eu sei, mas é assim que sinto. Sentimentos nunca foram claros, nem mesmo para aqueles que os compreendem muito bem, eles se tornam turvos e opacos quando tentamos decifrar nosso próprio sentimento, e uma lição que divido com quem quiser é “deixar o destino se encarregar de seu próprio fardo”. Prometi a mim mesmo que não mais abriria as cartas para saber o futuro da minha própria relação, e assim não o faço e nem o farei.

Sinto-me mais leve e mais amado a cada letra que digito, cada caractere que sai das pontas dos meus dedos, cada suspiro que dou enquanto escrevo. Disponibilizo 10 minutos do meu dia para respirar e transcrever o que sinto e penso, mas minha real vontade era de sair correndo e atirar-me nos teus braços, e ali ficar seguro para sempre. Lembra que lhe contei sobre meu escapismo, entorpecendo-me com o que a natureza nos deu, hoje não sinto mais a utópica necessidade de fugir da minha realidade, pois você se encontra nela. Obrigado.

Advertisements

2 thoughts on “Chapter 2013 – Act 06, Page 24

  1. Beautiful and hopeful!

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s