Chapter 2013 – Act 07, Page 07

E o que dizer de uma madrugada de maré, que foi na brisa que encontrei a razão e o sentido da vida, que já regozija neste peito efêmero, sem sentido, e tão apaixonado. O amor dói, uma dor sentida e sofrida, mas uma dor que aproxima e apaixona mais ainda. Sentir-te-ei, como quem sente um amor próximo, quero tê-lo todos os dias, mas não podemos nos dar esse presente. Queria tê-lo aqui e agora, compartilhar comigo mais esta ponta, e navegar nas águas mansas de Afrodite. Navegando, navegando e navegando nas águas do teu mar, curtindo a névoa e sentindo a brisa, lembrando que de ti e querendo teu braço forte. Aaaaaah, essa saudade me mata aos poucos. De que me adianta sair da cama hoje se não ei de te ver, não ei de senti-lo forte e firme.