Chapter 2013 – Act 09, Page 16

Ok, hoje decididamente meu texto será destinado ao cansaço de tanta babaquice, tanta idiotice, cansado desta eterna falta do que falar, e não é a minha eterna falta do que falar, mas da sua. Afinal de contas, tiro assunto até de onde as pessoas jurariam que seria impossível fazer delongas sobre. É, após esta esplêndida Lua Nova, tenho que realmente reavaliar muitos conceitos e muitos atos na minha vida, já basta sábado que a ignorância de uma mulher consegue me desestabilizar de tal forma que a influência que a minha senhora exerce sobre mim me de energias para respirar fundo e não falar as poucas verdades que coçaram na minha língua. E agora, o que tens a me dizer “senhorito”? Falará que tudo que aconteceu fora apenas um mal entendido e que a vida não passa de um paradoxo temporal que nos engole em fendas místicas e nos deixa incapaz de lutar por aquilo que desejamos, se é que tu desejas algo. Há um tempo atrás eu abri as cartas em um complexo jogo, no qual descobri que o meu amor esta em terra, encarnado, e então me viera a pergunta para reflexão, “e se teu amor for mais jovem”. Confesso que fiquei aturdido com tal incógnita e me propus a refletir sobre e tentar suportar isso, afinal já vivenciei coisas que muitos na minha idade nem sonham que existe, já degustei das mais vis e impuras formas de amor, e dos mais belos romances de contos de fadas, até que o meu príncipe encantado fora levado dos meus braços para viver no seu castelo medieval na linda Europa. Me propus a tentar aceitar e ser paciente o suficiente para compreender as impossibilidades dos mais jovens, as dificuldades de quererem amar e sentir a dualidade de que isto é errado, eu nunca passei por tais dificuldades, então não sei se é demorado ou rápido, sei apenas que pode ser confuso para alguns, mas ser totalmente passivo à essa situação de incapacidade é algo inadmissível à qualquer ser humano. Aprendas a lutar pelos teus objetivos com a força de vontade que lutas por ideais utópicos, ou desista deles, desista de todos, e até mesmo de mim. Não somos mais garotos para encarar isso com naturalidade, pelo menos eu não sou mais um. Por esses e outros motivos que eu sempre preferi os homens aos rapazes.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s