Chapter 2013 – Act 10, Page 15

Planejar e viver, isso tem muito em comum, hoje planejo o amanhã sem ao menos saber se ele irá existir, então vivo o hoje pois sei que logo menos ele poderá acabar, e quando acabar ei de gritar que vivi e vivi feliz por ter tido momentos únicos e especiais, estou gostando tanto de viver ultimamente, que aceitaria a morte de bom grado se ela chegasse, pois eu realmente vivi. Ficou confuso com essa efusão? Simples, se vivi feliz e fiz tudo que tive vontade de fazer até hoje, e claro tudo também que o dinheiro me possibilitou, então estou apto para aceitar de bom grado a morte, que será minha companheira na viagem de volta a Summerland. Se tivesse eu vivido me abstendo da vida por conceitos morais infundados, ou ter deixado de fazer algo simplesmente porque alguém disse para não fazer, então iria eu implorar à morte por mais alguns segundos, para tentar resgatar a vida que deixei fluir entre os dedos, feito água do rio que não se pode parar. Sempre olhei a morte como uma bela e silenciosa companheira, e sei que assim é ela, uma grande amiga que me verá em breve, mas não tão breve assim, pois ainda tenho algumas coisas para terminar, se eu tivesse mais algumas horas vagas nos meus dias, faria ainda muito mais coisas nessa vida.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s