Chapter 2014 – Act 05, Page 16

Numa sobrevida continuo o meu dia. Sexta-feira e tudo que eu mais almejo é estar em casa, em baixo das cobertas assistindo a um filme decente com um pote de batatas fritas. Ontem, quase morro por causa das minhas amígdalas que estavam bem maiores do que o normal, sem contar que estavam recheadas de pus. Só para ajudar estou gripado, meus pulmões doem e estou tossindo há quase um mês. Já sei que necessito remover minhas amígdalas, pois não há mais meios normais de arrumá-las, nem com o coquetel de medicamentos que me foi receitado ontem.

A febre hoje não está mais nos 39,6 ºC, mas ainda não me sinto disposto para nada. Meio disperso, de pensamentos e reações lentas, observo a vida fluir ao meu redor e nada posso fazer para ela me mover. Paro, penso, reflito, tento compreender, mas a compreensão inexiste em minha mente efêmera, não consigo ao menos compilar as palavras com exatidão, mas para quê exatidão, quando simplesmente posso pensar em nenhum nexo para tudo que ocorre. Encerro o texto por aqui, minha professora de literatura do colégio, se lesse isso aqui, com toda certeza teria ataques cardíacos pela falta de conclusão da ideia, mas pouco me importo com isso hoje.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s