Chapter 2014 – Act 05, Page 28

E se eu escrevesse para você ler, e não para esvaziar minha mente? Talvez você iria ler com outros olhos, ou então, nem perderia seu tempo tentando decifrar aquilo que minha mente projetou para sua compreensão. Em um caso ou outro, continuaria eu escrevendo algo próprio da minha mente efêmera, e não algo programado para sua realidade intelectual.
Não, por favor não interprete mal esta colocação. Não foi querendo ofender seu intelecto que expus esse pensamento, foi apenas tentando devanear sobre a colocação intelectual da minha própria mente. Quem me dera se fosse eu um grande pensador ou filósofo. Mas nem mesmo poeta posso ser, pois a arte das rimas não me pertence, e a narrativa não fascina os outros como me fascina.
Mas sou bom em algo, tenho que ser bom em algo. Talvez eu seja bom em apenas ser algo, algo esse que não pode ser especificado como bom ou ruim, pois esses são conceitos tão mundanos e humanos, que me causam certa aversão comentar sobre. Vivemos sempre na cultura do medo de pensar diferente, que mal podemos refletir sobre aquilo que verdadeiramente somos, ou tememos.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s