Chapter 2014 – Act 08, Page 19

Escrever é o refúgio mais tranquilo que encontro para o meu ser. Como começar a vida sem planejar tudo o que iremos fazer, dizer, pensar, falar e até mesmo agir. Seria você capaz de dizer tudo o que queres para aqueles que o cercam? Seria você capaz de gravar em palavras todos os teus sentimentos meus íntimos? Seria realmente você, se dissesse que discorda da opinião de outro alguém? Quem é você, o que você faz para ser você mesmo, seria você eu, ou eu seria você? Ah, malditas questões inanimadas e sem respostas.
Por hora, eu sou exatamente eu, um guri que dizes o que pensa e vai de encontro à sociedade e também sua moral cristã. Não sou obrigado a ceder e viver suas filosofias, sendo que já aprendi intimamente a compreender os conceitos dos grandes filósofos e construir minha própria sabedoria sobre a vida. Meu entendimento é bem diferente da tua compreensão, mas isso não me torna melhor ou pior que tu, apenas me torna diferente, diferente pois não sigo tuas moralidades e menos ainda tuas regras. Lembro-me bem de um psicólogo me dizer, aos 14 anos, que eu era completamente, repito, completamente amoral. Após seu veredicto, o questionei sobre moralidade e ele expôs o discurso batido de um bom cristão, e isso não me convenceu. Após esse sábado cheguei à conclusão de que, se restava um pouco de dignidade em mim, ela se esvaiu junto à descarga do vaso. Mas aí, paro e me pergunto, apenas inferi na moralidade cristã, primeiro pois me relacionei intimamente com um homem, segundo (esse é o ponto da minha dignidade) foi dentro de um banheiro. Não me culpo, e teria feito a mesma coisa se tivesse ocorrido hoje e agora.
Aprendi a viver o momento, e aquele era o momento, pois eles são únicos e totalmente especiais. E agora volto à minha dignidade e reparo que ela nunca morreu, pois eu mudei meus conceitos de vida mudaram completamente aos quatorze anos, quando decidi que eu não seria moldado intimamente por conceitos ditados por um livro de história milenar e com inúmeras inserções e adaptações que faziam total sentido na época em que foi escrito, Mas hoje não fazem o menor sentido. Prestes a completar quinze anos, decidi que meus momentos seriam eternos enquanto durassem, e que assim se estenderia ao longo da eternidade. Vivo todos os momentos, não pulo nenhum e sou feliz assim. E tu, és feliz com seus conceitos de vida?

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s