Chapter 2015 – Act 06, Page 12

Alguém, algum dia, disse que 12/6 era o dia dos namorados é que essa seria uma data importante e ‘mimimi’. Importante para o comércio que lucro um pouco mais com produtos e serviços destinados à casais. No metrô e nas ruas vejo alguns corajosos carregando sacolas modestas com lembranças singelas para a data não passar desapercebida, alguns outros, como eu, pouco se importam com esse protocolo social e andam livre das amarras sociais. Ok, talvez eu desse uma rosa em botão para o meu ‘namorado’, mas não seria justo com todos os meus outros amores. Ou seria? Imagine eu ter que comprar um presente para todas a pessoas que gosto e considero, iria à falência. Ah, super apoio você que curte muito essa data e gasta alguns bons trocados em presentes e experiências marcantes, mas eu prefiro uma ação sincera a cumprir esse protocolo mesquinho.

Estava há pouco conversando com a minha prima sobre relacionamentos e chagamos à conclusão de que nenhum de nós dois somos, o que a sociedade classifica como normais. Imagine eu ter que me preocupar com o que todos irão dizer ou pensar sobre as minhas atitudes, roupas, gestos, modos. Isso seria loucura. Mas, para o guri com o qual me relaciono, todo o que eu repudio é o comum a ele, os protocolos sociais de casal margarina, o cabelo arrumado, as roupas passadas, os sapatos alinhados, as vozes baixas, os olhares contidos, as vontades e desejos ocultos, a monotonia presente em todos os momentos, e, no rosto, um típico sorriso falso de um taurino mostrando apenas a aparência de felicidade. Me respeite, rapaz, e me diga o que é felicidade plena para você. Alguns poderiam soletrar isso como R-O-L-A.

Sinceramente, cheguei ao meu limite. Cansei de esmurrar facas, minhas mãos calejadas sobre com o impacto na lâmina afiada. Já conversei inúmeras vezes com este guri em questão, sobre suas atitudes impensadas e a vivência no seu mundo utópico é improvável, é esta será a conversa decisiva. A prova de que tentei fazer dar certo é que essa será a quarta, sim, você leu que essa será a QUARTA vez que irei conversar com ele. Caro leitor, tu que me conheces há um pouco mais de tempo sabes que não há precedentes disto, conversar com um cara que eu saiu pela quarta vez para tentarmos melhorar nossos pontos. Isso para mim é um cenário absurdo, quase utópico. Mas afirmo a vocês que esta será a última vez que converso com ele sobre esses aspectos, e eu disse a ÚLTIMA vez. É como a Raissa diz, num relacionamento ambos têm que ceder, eu já cedi muito, ele também cedeu, mas ele me cobra por coisas que eu odeio e ele sabe disso.

Nos últimos meses tenho pensado que a minha vida seria muito mais fácil e tranquila se esse meu namoro fosse algo normal, vide-se que o normal para os meus padrões, traduzindo para a sua realidade, seria um relacionamento mais light. Eu me considero um cara bem legal para namorar, pois incentivo o guri a sair e curtir com os amigos, não cobro explicações e muito menos quero saber onde está ou com quem, se não quiser ir comigo a algum lugar não faço drama e irei sozinho ou com amigos, e por aí vai. Faço tudo para tentar integrar todos os lados, os dele e os meus, mas esse guri é completamente diferente de mim. Me questiona e me cobra tudo, quer saber os meus passos, e, de forma velada, tentar me afastar dos meus amigos. Faço de conta que não vejo ou sinto isso, e ajo como um bom e velho escorpiniano, sorrio, aceno e o faço fazer o que eu quero fazer, sem ele perceber isso. Ok, confesso que sou um tanto quanto manipulador, mas quem não é?

A volta para casa de faz longa e monótona, e eu odeio isso. Todos presos aos seus ‘espertofones’ vivendo suas vidas vazias e satisfeitos ou não por terem cumprido a ‘cartilha do cidadão normal’, que acorda cedo, dedica horas e horas em trânsito e no trabalho, para ter a pífia certeza de que está fazendo algo bom para si mesmo. Se a felicidade deles é se enganar com seu mundo plástico, fiquem à vontade e vivam suas espetaculosas mentiras pessoais. Não me excluo destes, pois eu também busco a compreensão infundada sobre a minha vida, ultimamente, turva. Mas os raios do sol do novo mundo pairarão sobre minha mente e tudo mudará. Espero que eu esteja certo e que a minha vida realmente mude para melhor. 

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s