Chapter 2015 – Act 09, Page 30

Tudo que eu queria hoje era um pouco de atenção. Algumas palavras doces, um carinho (nem que seja por telefone), um abraço, um beijo. Tudo que eu queria era um pouco de atenção. Tudo que eu queria. Tudo que eu. Tudo que. Tudo. 

Advertisements

Chapter 2015 -Act 09, Page 29

Acordo com a pergunta da Mi se irei sair no meu horário ou se hoje entro mais tarde. Pensei seriamente sobre o que ela quis dizer e então percebi que eu deveria estar atrasado, olhei no relógio e já marcava 7h44. Hora de levantar correndo e sair feito bala, mas antes um banho rápido e preparar um Toddy para beber no caminho. 

Ainda preciso descobrir quais as linhas que passam pelo metro Santana, pois fiquei assistindo uns três ônibus passarem e só me dei conta que me serviam quando passaram por mim, até que avistei um com o símbolo do metrô e dei sinal. Se não parasse em Santana teria que parar em algum outro. Santana. Estação Luz. Estação Paulusta. Longos 7 minutos na conexão entre a linha amarela e a verde, com direito a mais 5 minutos de percurso até a Vila Madalena. Jurava que chegaria muito atrasado na agência, mas o atraso será de 10 minutos. 

Chapter 2015 – Act 09, Page 28

Com a “água batendo na bunda” hoje passei a noite acordado fazendo meu TCC. Temos que entregar ele basicamente finalizado hoje, e ainda faltam muitas informações no capítulo 8. Agora vejo o quão importante é o meu papel no grupo, pois além de líder, sou o que bato no peito e faço acontecer; se bem que nos últimos 3 meses esse papel foi empenhado bravamente pela Jaqueline.

Escrevo no metrô, observando as pessoas que vêm e vão, todas apressadas e reflito sobre a vida e a morte, que valem o mesmo tanto. Lembro-me do meu dia péssimo, das reuniões intermináveis, dos assuntos boring, da chateação vivida pelo momento do ócio criativo. Tenho três projetos que posterguei e agora terei que correr para finalizá-los. Tanta coisas para fazer que me desanimo só de pensar em tudo isso. Ainda não sei como ei de dormir no meu quarto, pois ele está completamente tomado por caixas de coisas que irei doar.

Lembro-me da minha manhã. Tão bom acordar ao teu lado, meu belo príncipe. Por mais que hoje não tenha conseguido dormir bem, acordei um tanto quanto disposto a fazer algo, essa disposição se dissipou segundos depois. Olho o celular para ver as horas e vejo que as 8h30 pessoas da agência me ligaram (ainda bem que coloco o celular no “não perturbe” durante a noite), se fosse algo realmente importante eu saberia e nada justifica aquela ligação, pois a campanha que está mais próxima de ser implantada ainda está em produção. Ou seja, me ligaram sem necessidade. Enfim, reparei que hoje eu e o Dan nos mexemos muito na cama, foram vários os momentos que acordei e estávamos atravessados na cama, ambos sem coberta e o Dan gelado. Várias foram as vezes que o cobri, vezes essas que mesmo ele tendo sono levíssimo, não acordou com o meu toque. Se o fez, soube disfarçar muito bem. Tudo que eu mais queria nesse momento era agora poder voltar para casa e abraçar o Dan um pouco e o deixar viver em seu mundo, quase quieto. Digo quase quieto, pois eu iria querer conversar. 

Chapter 2015 – Act 09, Page 27

Sem dúvidas hoje foi um dos dias mais difíceis para mim, tantas coisas jogadas fora, tantas lembranças guardadas apenas na mente, um passado há muito enterrado fora revivido em fotos. De um tempo drugged as fotos de hoje, de hoje as fotos do amanhã. Isso chega a doer um pouco em mim, mas tento fazer tudo parecer normal, tenho certeza de que não consigo. 

Ainda bem que a Raissa estava comigo. Somos ótimos para decidir sobre a vida dos outros, mas não tão bom quando temos que decidir as nossas próprias vidas. Dois acumuladores “controlados”, ela mandando eu jogar muitas coisas fora e incentivando a doação de outras, e acumulando mais coisas para ela. Somos uma dupla perfeita para arrumação, e ainda precisaremos de mais alguns dias para colocar tudo em ordem no meu novo quarto, prometo tirar uma foto em breve de como ele ficou sem as caixas e demais itens desorganizados. 

Confesso que o que mais me doeu foi a doação dos livros. Saí da casa da minha mãe deixando três caixas de livros fechadas com a ordem para ela doar tudo, sem me dizer o que estava dentro. De quatro caixas e duas sacolas retornáveis de mercado, cheias de livros, me restaram apenas dois nichos na estante e alguns volumes que falam sobre magia. Livros raros que não encontro mais.

Lunch and dinner time. Três vegetarianos no role e uma quase vegetariana, o único lugar que conseguimos pensar para comer é o Prime 😍 e depois hora de ir para a casa do Dan, banho e cama, e esconder meu celular para ele não postar novamente as fotos que prefiro não ver. Quem sabe num momento de maior desapego marcado por superacao, eu consiga encarar de frente algumas fotos e continuar vivendo feliz com isso. 

Chapter 2015 -Act 09, Page 23

Apesar de ontem ter sido um dia bem ruim, foi bom ter ido para a minha nova casa ☺️ Até maçã ganhei para comemorar o solstício de primavera, meu Ostara. Se não fosse o Allan, hoje teria que gastar horrores para “arrumar” meu note, pq fiz a merda de atualizar para o Windows 10 sem verificar se todos os drivers para o meu notebook já estavam atualizados para q nova versão do Windows. Infelizmente quase nenhum driver está atualizado e eu não consigo voltar o sistema para a versão 7. Só que dessa vez não sofreei calado, já mandei textão para a Microsoft e hoje vou mandar textão para a Lenovo. Chateado. 

8h50. Estou na estação Luz, atrasado. E dentro do vagão do metrô, sem sinal da operadora. Eita vida maravilhosa. Creio que hoje chego na agência por volta das 9h30. Fico incrédulo com a quantidade de pessoas que superlotam o transporte público de São Paulo, caro e obsoleto, além dos cartéis estabelecidos e desvio de verba e corrupção. O bom é que todo mundo desce na estação Paulista, então é só seguir o fluxo é ser feliz. Se bem que felicidade e atual agência são coisas díspares e, me parece, que nunca se juntaram na vida. Enfim, vamos superar e seguir para a Consolacao para pegar a linha 2 – verde. Só gostaria de dizer que foram 8 minutos investidos no percurso da linha amarela até a linha verde, faço a transferência entre as estações (de um extremo ao outro) no tempo médio de 2 minutos. Odeio superlotação. Na verdade eu fujo das multidões. 

O sono me consome e a vontade de nunca ter saído da cama é grande. Mas vamos seguindo em frente, caminhando em cantando, seguindo a canção. Estou com preguiça, cansado, preocupado, chateado e sono. Mas vamos nos mexer porquê já chegamos na Vila Madalena e é hora de encarar o dia na agência. Estou super animado, só que não. 

Chapter 2015 -Act 09, Page 19

O dia hoje foi feito por sagas. A primeira foi conseguir acordar o Dan para que comprássemos as roupas dele, sem nos atrasarmos para a maquiagem e depois ainda conseguir pegar o bus para Jundiaí. Primeira tarefa cumprida com quase sucesso. Táxi até a Starbucks, as vezes não entendo o porquê o Daniel gosta tanto de andar de táxi. Café da manhã. Forever 21 da Oscar Freire, nenhuma roupa que tenha nos chamado a atenção. Shopping Pátio Paulista, apesar da Zara e outras marcas, nada nos interessou. Shopping Frei Caneca, e nada também. 

Ainda bem que não gastamos dinheiro para a festa à fantasia, pois a guria acabou retificando o convite que havia feito a nós, em outras palavras, ela nos desconvidou.  A sorte é que não havíamos começado a maquiagem, pois se houvéssemos começado eu ficaria bem puto. Rumo ao Açaí Beach Bar, mais conhecido como Açaí da Augusta, conversar com a Nick e atualizar as fofocas. 

De volta para casa, o momento foi de pensar no jantar e foi aí que me frustrei horrores. Além de sairmos de casa bem bridados para procurar cantinas vazias pelo Bexiga num sábado à noite, a cantina que sugeri (lembrando dos momentos em família que sempre íamos àquela cantina) estava lotada e resolvemos não esperar. Seguimos para um restaurante na Bela Cintra e o Dan não curtiu o lugar por estar lotado e barulhento. Estava eu brisado e chateado por causa de que os lugares que escolhi estavam lotados, entrei na bad e aí fudeu. Tentei segurar a onda negariva, mas quando entramos naquele mexicano cheio da tigrada e o único lugar que tinha para sentar era o salão completamente iluminado e de frente para a Augusta, acabei perdendo o tesão por comer. Estava quase desistindo de comer quando o Dan foi fofo e resolveu ir comigo no Tollocos 😍 Isso foi fofo, pois ele não gosta de lá, ainda não entendi direito o motivo dele não curtir o lugar, talvez lhe traga lembranças ruins, ei de respeitar a vontade dele de não ir lá outras vezes. 

Desistimos da balada. Vamos curtir só nós dois e sermos felizes. Que tal sentar em algum lugar e conversar sobre a vida? Acho que seria válido avisarmos as gurias de que desistimos da balada cheia de tigrada. 

Chapter 2015 – Act 09, Page 22

Hoje marca o segundo mês de namoro com o Daniel e não conseguirei vê-lo 😢

Infelizmente tenho orientação do TCC e ainda preciso ir à casa da minha mãe para pegar mais algumas roupas e outros itens. Queria convidá-lo para jantarmos juntos hoje, quem sabe uma cantina legal ou finalmente conseguir apresentar o churros com sorvete do Esquisito! De tantas ideias, terei que repensar algumas, pois essa é a semana que tenho orientação todos os dias. Chateado com isso. Mas estou pensando em fazer um jantar super delícia no sábado a noite, espero que ele goste do pasta ao molho branco com chips de cogumelo Paris 😍

Nem preciso dizer que acordei atrasado hoje, ou preciso? O fato é, são 8h57min e já estou na estação Sumaré. Talvez eu não tenha acordado tão atrasado assim, sair às 7h50min de casa pode ser uma boa ideia. Morar longe do trabalho é tão boring. Não vejo a hora de comprar uma bike e vir pedalando para a agência. Creio que serei tão mais feliz assim.

9h10min. Cheguei na agência mais cedo do que se tivesse dormido na casa do Dan. É, eu realmente acho que estou empolgado com a nova casa. Ainda preciso levar todas as minhas coisas para lá e me desapegar de tudo aquilo que não me fez falta durante todo esse tempo que estiveram encaixotadas. Já doei inúmeras peças de roupas que não fazia mais sentido continuar comigo, casacos para aguentar o frio britânico (e apenas ele, pois em São Paulo é impossível usar tais roupas). Tenho medo de abrir algumas caixas que ainda estão intocadas desde que saí do apartamento, sei que memórias virão à tona e não sei se estou preparado para encarar o meu passado.

Café. Sono. Reunião. Apresentação de projeto. Morte. Café. Reunião. Quase um looping durante a minha manhã, queria que tudo fosse diferente ou que a rotina dessa agência não fosse tão estranha. Lembrando de que temos que nos comportar, caso contrário perderemos o direito à pia. BIZARRO. Enfim, hora do almoço chegando e, olha só que orgulho de mim mesmo, durante os almoços não estou consumindo glúten. Dan, estou conseguindo ❤

Hoje tem parte da entrega do meu TCC e, confesso que estou bem ausente esses últimos meses. Ok, em 4 anos, posso deixar 1 semestre os trabalhos da faculdade na mão do pessoal do meu grupo. Eu deveria escrever ele ao invés de escrever essa página, não? Sim, ei de fazer isso, já que parei uns minutos aqui na agência para escrever e aliviar a mente. O foda é que terei que correr com todos os meus projetos, por ter parado para escrever o meu TCC 😥 Se ele não sair decente, não me formo e terei que me contentar com agências exploradoras como essas e as últimas duas pelas quais passei e saí. Saí na esperança desta ser melhor, mas errei rude na minha escolha 😥

Acho que tudo o que eu realmente queria hoje era ver o Dan. Quero abraçá-lo até ele começar a gritar e resmungar, apertá-lo até começar a contar os segundos para eu soltá-lo. Especialmente hoje sinto tanta vontade de fazer, de poder estar com ele, de poder acordar ao lado dele pela manhã e vê-lo dormir por alguns minutos antes deu sair para trabalhar ❤

18h00. Hora de correr atrás dos jobs que deixei de lado para escrever esse post e fazer meu TCC 😥