Chapter 2011 – Act 12, Page 12

Devaneios – 2011-12-12

O Sol brilha forte no céu azul, as nuvens desapareceram, o frio está longe, mas o âmago da solidão ainda se faz presente. O som dos meus passos largos em meio aos veículos velozes ecoa em minha mente insone, o brilho esplendoroso do Sol prejudica minha visão, o barulho ensurdecedor dos pensamentos alheios cala a minha mente. Não sei mais por onde andar, sem ter que ter os olhos escondidos.

É estranho ver como tudo acontece, e muitas vezes, muitas coisa acontecem por simples ironia do destino. Nada é por acaso. Me felicito com a ‘brincadeira’ que os deuses fazem, nos mostram o que precisamos ver, sentir, fazer e ouvir. Cabe a nós saber compreender a mensagem.

Sim, sei que não sou normal aos padrões convencionais, se estivéssemos na Era das Trevas, seria eu lançado à fogueira para me transformar em mais uma partícula pagã a manchar teu rosto com minhas cinzas.

Chapter 2011 – Act 11, Page 11

Devaneios – 2011.11.11

Hoje começo o dia pensando ser apenas mais um dia em minha vida, exceto por alguns acontecimentos. Muitas coisas mudaram de uns tempos para cá. É como se eu não fosse mais eu, é estranho falar isso, mas é o que sinto. Aprendi muito, e ainda vivo aprendendo a viver de uma maneira mais ‘zen’.

Meus impulsos são fortes, minha vontade de ser cruel é grande, minha raiva é quase incontrolável, meu veneno é mais que saboroso. Ah, como é doce ser vil, como é doce ser eu mesmo. Fazia muito tempo que não sentia o gosto da ironia, o sabor da maldade, a emoção vibrante que uma pessoa libera quando está coagida pelo meu veneno. É tão bom saber que, apesar dos anos passarem rápidos, eu ainda posso ser tão ruim quanto aprendi a ser.

Maldade é um prato que se come frio, saboreando o gosto amargo dos alimentos, lembrando do gosto de ferro que se traz no sangue. Maldade é um prato que devemos comer bem devagar e sempre lambuzando os dedos. Mas não se espante, eu também sei ser bonzinho com aqueles que merecem. Sou paciente e irei esperar até que nosso dia chegue, e acredite, quando ele chegar você se lembrará quem verdadeiramente sou eu. Não sou apenas este rostinho sereno com foz afável.

Já havia me esquecido como é bom sentir o que sinto, sentir o algoz crescendo dentro de mim e reconquistando cada milímetro do meu ser. Já não sinto mais os tremores no corpo, meu coração parece que não pulsa, meu olhar voltou-se frio, minha voz tornou-se baixa e paciente, a segurança de sempre está de volta, a grandeza me espera. Ei de reconquistar tudo o que me tiraram, e me lembrarei de todos que colaboraram com isso.

Chapter 2011 – Act 10, Page 07

Devaneios – 2011.10.07

Tudo o que eu mais quero neste momento é um abraço, o abraço que nunca tive, o cafuné que nunca recebi. Tudo o que mais quero é alguém para me apoiar, para me dar sustento, para me fazer forte e me mostrar que posso ser mais que isso, alguém que me ajude, que me aconselhe, que me ame. Cansei de ser forte para tudo aguentar, não tenho mais forças para seguir sozinho.

Mãe, infelizmente, não consigo mais prosseguir. Meu mundo está ruindo, é como se tudo se perdesse no tempo e no espaço, e não consigo mais mudar. Meu coração dói, uma dor nunca antes sentida, minha boca seca, me falta o ar para completar as palavras vazias. Sei que posso ser mais que isso, mas, às vezes, o que mais quero é ouvir isso. Ainda sou humano e tenho necessidades mundanas como o reconhecimento, isso gera minha motivação. Não tenho mais as forças necessárias para seguir com todos os problemas.

Há muito que já não me sinto parte disto, e agora o que mais quero é me desligar. Posso sentir suas energias, posso saber o que você está pensando, posso sentir quando você muda, e sei que você apenas está usando mais uma de suas máscaras. Isso dói profundamente em meu ser, por saber que falhei contigo, que não consegui fazer com que você acordasse para a realidade do mundo cruel e frio em que vivemos.

Chapter 2011 – Act 09, Page 14

Devaneios – 2011.09.14

Há muito quero desabafar, mas não consigo parar para ordernar meus pensamentos! Sinto vontade de correr, gritar, pular e, até mesmo, de desistir. Com o tempo correndo desenfreadamente, minha mente se distrai e quando noto o tempo não mais está sob meu controle. Chego até a pensar se um dia ele esteve.

As palavras surgem em minha mente como trovões, veem fortes e rápidas, tão rápidas que nem mesmo meus dedos conseguem registrá-las. As vozes gritam coisas absurdas, falam coisas desnecessárias e isso me deixa com uma forte dor de cabeça. Sinto como se eu fosse bipolar, sinto que muitos querem dizer, minhas mãos tremem, minha boca seca, minha garganta doi, meu corpo tenta se mover mas não consegue, e a única frase que ecoa em minha mente é: “Sou apenas UM, mas tenho a força de MUITOS; ando SÓ, porém NUNCA estou sozinho!”. E meu coração aperta no peito, minha mente me mostra em flash tudo o que vivi, coisas que fiz, e coisas que nunca sei se realmente fui capaz de fazer!

Por vezes, sinto-me incapaz de algo, incapaz de lutar, viver, correr, gritar, pedir socorro … Sei que para os ‘normais’, tudo o que sinto significa que estou a um passo da loucura. Talvez os ‘normais’ estejam certos, e realmente eu já esteja com todos os pés na loucura! Não sei, sinto coisas que ninguém sente, e não posso falar sobre elas. Não posso compartilhar o que sinto com ninguém, e isso é para o bem de todos. Talvez um dia eu possa gritar aos ventos o que realmente se passa em minha mente e corpo!

Sei que hoje nada sei, e sinto a necessidade de conversar com alguém! Corro aos amigos que sei que posso confiar minha alma, que há muito já está ‘vendida’ … Meu corpo, mente e alma já não mais me pertencem; talvez um dia, num passado bem distante eles possam ter me pertencido por completo!

Sinto que lhe conheço há muitos Invernos, muitos deles frios e escuros. É estranho como, naquele primeiro dia em que nos conhecemos, por ti me afeiçoei de tal maneira que não mais pude controlar os mistérios de Ágape! Senti, naquele exato dia, que você havia voltado, e que pelo destino traçado pelos deuses nós havíamos nos encontrado novamente. Não sei o que tu sentiu exatamente, porém sei que o que eu senti por ti, nunca havia sentido por ninguém antes nesta vida. Por mais que outros braços encontraram os meus, outras bocas provei, outros prazeres tive, sei que nada poderia superá-lo! Passei anos a sua espera, e este tempo parece que passara sendo apenas um dia, porém hoje não consigo parar de pensar em ti!

Pelos deuses, o que está havendo !? Sei que não posso quebrar as regras do destino e ver o que está acontecendo comigo, sei também que alguns dons nos são dados para ajudar aos outros e não a nós mesmos. Sei que tenho que entregar-me à sorte do destino, e isso já fiz há muitas primaveras, mas o aperto que assola meu coração me derruba, me deixas desnorteado.