Chapter 2015 – Act 12, Page 28

11h00. Aquele momento tenso que tu esperas o resultado do exame. Tentarei deixar a minha mente livre de pensamentos, isso me ajudará a não atrair bons e nem ruins. Esperar trinta minutos será uma eternidade neste exato momento. 

11h53. Tudo certo, nada de pânico. Pelo menos uma coisa ele não mentiu, não é mesmo? 

Advertisements

Chapter 2015 – Act 12, Page 27

Sabe aquela puta falta de consideração? Então … Acho uma “puta falta de sacanagem” romperem nosso acordo, não era para eu ir para casa, cuidar da Fu, tomar banho e voltar para a sua casa e aí pensávamos no que comer? Aí eu chego na tua casa, querida prima, e cadê comida? Vocês simplesmente comeram sem mim. Puta sacanagem. Só que eu cheguei na tua casa meia-noite e trinta, nenhum lugar próximo faz entrega nesse horário. Ou seja, ficarei a noite toda sem comer, com essa puta falta de consideração de vocês e o seu tom arrogante ainda faz você ficar mais insuportável ainda. Naquela falsa modéstia de: eu tentei fazer algo para você comer, se não quer entender isso, problema seu. Mas eu fui muito boa para você”. Vá à merda com sua falsa modéstia. 

Hoje acordo e espero todos acordarem para irmos à padaria juntos comer, mas você, querida prima, se acha muito melhor que todos e necessita que todo mundo lhe jogue confete. De boa, não estou afim. O melhor que faço é ir para casa e preparar alguma coisa para eu comer enquanto espero o dia acabar. Quem sabe eu não assisti uma série, vejo um filme bom e não aquela merda de comédia péssima que vocês assistiram ontem a noite. Ainda posso terminar meu kilt e usá-lo amanhã. Quer saber, não quero mais porra nenhuma. To puto contigo. 

Chapter 2015 – Act 12, Page 12

I need practice my English, writing and have conversations with someone who speaks so well. I’m lost my British accent and have a poor experience with the language in the last years. Today I was watch the movie “Into the Woods”, without subtitles, and have a little difficult to understand the conversation and the songs. 

Going to college I watch the people in the underground, everybody looks for something, for someone. And for what I’m looking? I don’t know. That all I know is the Dee is into my mind, my handsome and enchanted prince have all my think. We past 4 days together, laughing, loving, accomplished one with other. Dee’s my best love. Yes, I’m loving. 

Today I’ll return to my French class. And I need practice more too, writing and have a good conversation, maybe I have to call to my friends of French. Yeah, it was a great idea. 

OMG, the train smelling so worst. Someone here smelling very bad. Please, arrives as soon as possible in Santana. The train arrives in Santana station, the most happiest moment in my day. 

The songs of Into the Woods is in my mind, “I wish …”. Ok, when I arrive at home I will play this movie when I prepare the dinner. I still thinking in vegetarian pancakes and beans. I love beans. OMG I need buy beans to make Acarajé for Oxum, for this I have to find Fradinhi beans or instantly prepare to Acarajé. I have no idea where I can find it in Santana. 

Chapter 2015 – Act 12, Page 06

Começo o dia pensando no meu belo príncipe Dee, um leonino com ascendente em capricórnio que ainda descobrirei o que isso significa. Enrolo para sair da cama, fico olhando o teto e lembrando do abraço e do toque do Dee, e declaro que é oficial, estou apaixonado. Minha mente pensa em tanta coisa que mal consigo ordenar os pensamentos para escrever. O Dee está em toda minha mente, ocupando todos os meus pensamentos, se fazendo valer de todo o meu corpo e atenção. É oficial, estou apaixonado por esse belo e jovem príncipe, de olhos penetrantes e sorriso encantador. Consigo ver um futuro com este guri, coisa que não via em outros. Já disse que amo essa minha qualidade de ser intenso? 

Fico pensando no que ele disse. Todas as amigas dele gostaram de mim, isso é bom, faz com que eu me sinta uma pessoa legal e divertida. O lado bom de conhecer o Dee é que até agora não encontrei pontos que me façam desacreditar nele, ele diz que a não sociabilidade lhe é um defeito, mas eu encaro isso como uma característica peculiar e não um defeito propriamente dito. Procuro não analisar características como defeitos, pois tudo é uma forma como vemos as coisas, é uma questão de ponto de vista.

Às vezes sinto vontade de dizer ao Dee que estou apaixonado por ele, que desde que nos encontramos pela primeira vez, não abri mais o Tinder. Queria dizer a ele que ele me basta, que não sinto vontade de conhecer outro guri, que não quero isso. Mas fico com a incerteza do que ele irá pensar, ainda não sei ao certo que ele espera, se isso o irá assustar ou lhe deixar feliz. Creio que o deixará feliz, mas não sei sensação confessar tudo isso agora. 

Já é hora de sair de casa, tenho que ir para a casa da Laura, ela precisa falar com o Sr. Sete. Saio de casa sem guias, sem velas, sem nenhum objeto que compõe a ritualística, e as minhas moças fomentam isso como parte de um aprendizado mais profundo, a confiança e a sinergia com as forças da natureza. Ainda estamos sob a influência e proteção de mamãe Yansã, os ventos continuam correndo soltos e fortes. Estação Faria Lima, já é hora de saltar e seguir para a casa da Laura. Às 15h30 precisarei buscar o Dee nesta mesma estação, já estou ansioso desde já. Não vejo a hora de poder abraçá-lo e ficar confortável em seus braços e beijos. 

Chapter 2015 – Act 12, Page 03

De volta ao metrô observo atento todos que me cercam, procuro por algum indício de personagens ocultos aos olhos, de expressões e rostos que dialogam com a verdade intrínseca a cada um. Vejo uma mulher linda em seu vestido branco, cabelos armados e seu salto agulha de 15 ou 16 cm. Esquia e senhora de sua beleza, ela sabe que todos os olhares se voltam a ela por onde passa. Quanto a mim, bem, 3 pessoas diferentes acharam que eu eu era inglês. Dois franceses me pararam na linha amarela perguntando se eu estava em algum hostel pela região da paulista, expliquei a eles que moro na cidade e eles disseram que achavam que eu era britânico, pois parecia um. O outro foi um alemão, já na linha azul, veio até mim pedindo informação, pois eu tinha cara e jeito de ser londrino. Este último me pedia ajuda para chegar à Vila Mariana. O acompanhei até a estação de destino e fomos conversando durante todo o caminho, Henry é um jovem de 27 anos, formado em literatura e veio ao Brasil para fazer uma formação na USP, chegou hoje no Brasil e ficará na casa de alguns amigos, já combinamos de fazer algo durante a próxima semana para eu apresentar a cidade a ele. Será legal a troca de cultura. 

De volta ao meu rumo, me analiso para entender essa identificarão britânica. Estou com um sapato Oxford, bermuda, camisa cinza e com a gola cortada em V com estampa de zombie vegetariano, touca cinza, óculos de sol e a minha bolsa pintada à mão pelo pessoal do coletivo Salve Selva. Ok, meu look verão se assemelha ao dos londrinos, talvez tenha sido isso que chamou a atenção nos gringos, a simplicidade  das roupas, meu desleixo e o rosto blasé. 

Já em Santana, penso que seria legal eu passar no mercado e ver se compro algo para comer a noite, se bem que desde que saí da agência, não dormi nenhum dia em casa. Hoje me dei conta que era quinta-feira. OMG, já é quinta. Amanhã é sexta. A semana acabou.

Finalmente em casa, é hora de abrir o note e começar a organizar a minha vida. Tudo está de pernas para o ar, até que gosto dessa ligeira desordem, mas isso irá me consumir muito. Arrumarei tudo. Logo menos terei que sair novamente, acho que depois da conversa com a Raquel, irei passar no MASP, novamente nessa semana 😍

Chapter 2015 – Act 12, Page 02

Hoje acordei livre, sem amarras e contendas, sem peso ou pressa, sem dissabores do ócio da vida cotidiana. Mas, mesmo sem ter que ir para a agência, minha agenda está lotada de coisas sérias para serem feitas. Aproveito a saída da Laura para ir com ela ao metrô, já no vagão penso e agora escrevo, observando a vida passar reticente por entre os trilhos e vias, cada pessoa em sua bolha social, cada olhar perdido por entre as janelas fechadas por anúncios. Há uma senhora pedindo ajuda, já a vi algumas vezes nos vagões e lembro-me que na última vez a história que ela contava para pedir esmolas era diferente. Enfim, quem sou eu para julgar essa senhora por suas histórias desconexas. 

Vinte e três minutos depois de me despedir da Laura chego à Santana e reparo que o meu pensamento está no Dee, mal o conheço e ainda não sei muito sobre ele, mas o pouco que sei é conheco, já gosto. Ele demonstra interesse em mim, se preocupa e se faz presente nos meus momentos. E seus olhos verdes, abraço forte e beijo instigante me deixam sem ar é completamente entregue. 

Em casa olho tudo e não vejo nada. Tenho tanto a fazer que não sei por onde começar. Ei de elencarem as prioridades e em breve finalizar todos os afazeres. Preguiça de tudo e todos. 

Chapter 2015 – Act 12, Page 01

O vento bateu na saia de Yansã, o vento bateu para Yansã rodar. 

Enfim esse martírio chegou ao fim. Hoje foi decretado que tirarei minhas “férias” e depois estou livre de contratos para poder ir embora da agência. Sim, será isso. Férias em dezembro e liberdade da péssima agência que me abrigou no último semestre. Já não conseguia mais respirar dentro daquele lugar fétido e sem vida. Lugar que sua energia e te esgota física, mental e espiritualmente. Acordei hoje com o ponto de Yansã em mente, e minha mãe fez com que os ventos soltos corressem e limpassem tudo que está à minha frente. Nada de ruim permanecerá em pé enquanto Yansã soprar. Eparrei minha mãe Oyá. 

Não sei o que você, caro leitor, faz no teu primeiro dia de férias, mas eu estou voltando para casa, tomarei um banho gelado, trocarei de roupa e irei ao MASP – Museu de Arte de São Paulo. É assim que começará meu novo ciclo, com mais cultura e amor.